terça-feira, 9 de setembro de 2008



O Guardião do mosteiro
Certo dia, num mosteiro, com a morte do guardião, foi preciso encontrar um substituto. O grande mestre convocou, então, todos os discípulos pra descobrir quem seria o novo sentinela. O mestre, com muita tranqüilidade, falou:
- Assumirá o posto de monge que conseguir resolver primeiro o problema que eu vou apresentar...
Então, ele colocou uma mesinha magnífica, no centro da enorme sala em que estavam reunidos e, em cima dela, pos um vaso de porcelana muito raro, com uma rosa amarela de extraordinária beleza a enfeitá-lo. E disse apenas:
- Aqui esta o problema!
Todos ficaram olhando a cena. O vaso belíssimo, de valor inestimável. Com a maravilhosa flor ao centro! O que representaria? O que fazer? Qual o enigma? Nesse instante, um dos discípulos sacou a espada, olhou o mestre, os companheiros, dirigiu-se ao centro da sala e... Zapt!... Destruiu tudo, com um só golpe. Tão logo o discípulo retornou ao seu lugar, o mestre disse:
- Você é o novo guardião. Não importa que o problema seja algo lindíssimo.
Se for um problema, tem que ser eliminado.
Um problema é um problema, mesmo que se trate de uma mulher sensacional, um homem maravilhoso ou um grande amor que se acabou.
Por mais lindo que seja ou tenha sido, se não existir mais sentido para ele em sua vida, deve ser suprimido. Muitas pessoas carregam a vida inteira o peso de coisas que foram importantes no passado, mas que hoje somente ocupam espaço – um espaço indispensável para criar a vida.
Os orientais dizem:
- Para você beber vinho numa taça cheia de chá, é necessário primeiro jogar fora o chá, para então beber o vinho.
Ou seja, para aprender o novo, é essencial desaprender o velho.
Limpe sua vida, comece pelas gavetas, armários, ate chegar às pessoas do passado que não fazem mais sentido estar ocupando espaço em sua mente.
Vai ficar mais fácil ser feliz!

.

4 comentários:

Quase Trinta disse...

Eita.. realmente um problema é um problema, mesmo que pareça bonitinho....
não tinha pensado assim ainda.

Bárbara disse...

"para aprender o novo, é essencial desaprender o velho"...se m duvida, mas as vezes custa tanto nos livrarmos da tralha acumulada daqueles pedacinhos feitos de nada que ocupam gavetas e gavetas no nosso coraçao e pensamento...
beijo bárbaro

*Nati* disse...

Olá Michelly,lindo texto e verdadeiro, temos que refazer a vida,jogar o velho fora,limpar td que
não serve mais e aprendemos a lidar com o novo.Adorei seu texto.beijos
e um ótimo sábado

Sammyra Santana disse...

Eita, Mi!Essa história é uma tremenda lição de vida!
Um problema é sempre um problema mesmo e deve ser destruído!
Beijinho

Esses dias tb ando meio sumida do msn, resolvendo outras coisas aqui... mas jajá volto!

Beijinho